Telefone

+55 (11)3036-7890

E-mail

joia@joaibr.com.br

Horário de funcionamento

Mon - Fri: 7AM - 7PM

Afiando o buril

Vamos aprender a afiar o buril. Esta parte é muito importante, pratique o máximo que puder. No desenho abaixo, veja a pá do buril; é ai que vamos afiar.

Pegue um pedaço de lixa 240 e coloque sobre uma superfície bem plana (vidro). Repare no desenho ao lado a posição do buril – ficará em ângulo, apoiando a pá totalmente na lixa.

Agora faça um movimento de vai-e-vem, verificando a ponta da pá, em uma chapa de latão. Passe a ponta; se ela escorregar, ainda estará cega.

Após este processo, deite o buril em cima da lixa 600 já preparada. Puxe para trás, voltando o buril sem encostar na lixa. Repita o processo dos dois lados. Isto eliminará as rebarbas da pá.

O primeiro corte

A primeira coisa a se fazer é um corte em V na esteka, para obter apoio. Não comece o trabalho antes de fazê-lo!

Pegue o cabo de madeira com a goma e com a chapa de latão fixa (que foi preparado na aula anterior) e segure desta forma:

Pegue o buril. Observe que o cabo ficará apoiado praticamente na palma da mão; o polegar na lateral do buril, o dedo indicador na outra lateral. Com a palma da mão você vai empurrando o buril, para fazer o corte reto. Firme o polegar, empurre o buril deslizando por ele. Treine este movimento sem cortar. Depois, com o pau de goma, deslize o buril na chapa e aos poucos faça cortes rasos.

Observe o ângulo da pá do buril: se você levantar o cabo, a ponta irá penetrar mais na chapa, dificultando o corte.

O corte não pode ser muito profundo. Corte a chapa toda, repita os cortes, mude de chapa, vá aos poucos aprofundando o corte. Repita esse processo até sentir firmeza e confiança no que está fazendo.

Dica: Se mãos e braços começarem a doer, pare e relaxe. Faça uma mistura de água morna e sal grosso e deixe as mãos mergulhadas lá por algum tempo. (Não é uma simpatia!).

Boa sorte e até a próxima aula!


*Sergio Trad Alves – é ourives há mais de 30 anos, trabalhando e ensinando nas áreas de ourivesaria, cravação e fundição de cera perdida. Já ministrou cursos em Londrina, Florianópolis, Camboriu, Paranavaí, cidades de Minas Gerais e do interior de São Paulo.

Artigos recomendados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *