PÁGINA INICIAL
EMPRESAS
ENTIDADES
FEIRAS NO BRASIL
FEIRAS NO MUNDO
EXPOSIÇOES E EVENTOS
ARTIGOS
COMÉRCIO EXTERIOR
ENTREVISTAS
MANUAL DE GEMAS
CURSOS
CURIOSIDADES
JOALHERIA DE ARTE
MODA E TENDÊNCIAS
DICAS PRECIOSAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CLASSIFICADOS
PROMOÇÕES
COTAÇÃO DO DÓLAR
ANÚNCIOS
SOBRE O JOIABR
FALE CONOSCO
::::::::::::::::::::::::::::

© Joiabr - 2000
info@joiabr.com.br


FLUORESCÊNCIA


Luiz Antônio Gomes da Silveira *



A observação da propriedade conhecida como fluorescência é um ensaio complementar eficaz na identificação de materiais gemológicos e na distinção entre algumas gemas naturais, sintéticas e tratadas.
 
Define-se fluorescência como a emissão de luz visível por determinados minerais, quando expostos às radiações de comprimentos de onda muito curtos e menores que os da luz visível, tais como a luz ultravioleta e os raios X.

Em gemologia, a fluorescência à luz ultravioleta é a mais amplamente utilizada e para observá-la, requer-se apenas uma fonte simples e de custo acessível. Estas fontes de luz ultravioleta normalmente constam de duas lâmpadas, uma de ondas curtas (253,7 nanômetros, de abreviatura nm) e outra de ondas longas (365 nm), pois há gemas que respondem apenas às radiações de determinados comprimentos.

A fluorescência é mais bem observada na escuridão e com a visão do observador já adaptada a estas condições. Para tanto, as fontes de luz ultravioleta são geralmente acompanhadas de cabines de visão que simulam um ambiente completamente escuro. Como a luz ultravioleta, sobretudo de ondas curtas, é nociva à retina do olho humano, deve-se ter o cuidado de utilizar óculos protetores ao realizar o exame.


Exame de fluorescência à luz ultravioleta em fonte com cabine de visão
(Foto: Luiz Antônio Gomes da Silveira)

A fluorescência não é uma propriedade que se possa sempre predizer, pois alguns espécimes de um dado mineral a exibirão, ao passo que outros, semelhantes na aparência, não o farão, razão pela qual se trata de uma propriedade complementar, mas não diagnóstica por si só.

As cores de fluorescência também podem diferir entre exemplares da mesma espécie mineral e não guardam relação com a cor natural dos minerais. Assim sendo, o diamante, por exemplo, caso possua fluorescência, geralmente a exibe na cor azul, com intensidade muito variável, embora também possa apresentá-la em outros matizes.

Alguns dos principais materiais gemológicos que costumam exibir fluorescência são diamante, rubi, esmeralda, alexandrita, fluorita (que deu o nome à propriedade), scheelita, kunzita e vidros artificiais. Nos quatro primeiros casos (diamante, rubi, esmeralda e alexandrita), a fluorescência dos equivalentes sintéticos costuma ser diferente da dos naturais, mas deve-se ter muita cautela para evitar conclusões precipitadas, baseadas somente neste ensaio.

Como regra geral, as gemas cuja cor deve-se à presença de cromo, como são os casos do rubi, da esmeralda, da alexandrita e do espinélio vermelho, em tese deveriam apresentar fluorescência vermelha sob luz ultravioleta, mais intensa sob ondas longas. No entanto, a presença de ferro como impureza nestas gemas, mesmo em proporções diminutas, atua inibindo, em parte, esta propriedade.


Fluorescência azul, de intensidade forte, à luz ultravioleta
de ondas longas, em diamante natural bruto.
(
Foto: Luiz Antônio Gomes da Silveira)

A fluorescência difere da propriedade conhecida como fosforescência. Na primeira, o mineral emite luz apenas enquanto está sob efeito da radiação que a provocou, enquanto no caso da fosforescência a emissão de luz persiste durante algum tempo após cessar a radiação.

Luminiscência é o termo genérico utilizado para designar a propriedade de emissão de luz, sem combustão, por determinadas substâncias quando estimuladas por radiação, calor, eletricidade ou outras formas de energia. A fluorescência é, portanto, um dos tipos de luminiscência existentes.

Fontes:

Anderson, B. W.: Gem Testing
Branco, P. M.: Glossário Gemológico
Dana, J. D.: Manual de Mineralogia


*Luiz Antônio Gomes da Silveira é gemólogo pós-graduado pela Universidade de Barcelona (1988), pela Associação Alemã de Gemologia (Deutschen Gemmologishen Gesellschaft) e pela Associação e Laboratório de Ensaios de Gemas da Grã-Bretanha (Gemmological Association and Gem Testing Laboratory of Great Britain). Engenheiro de Minas (UFMG/1985), é credenciado pela Secretaria da Receita Federal, Responsável Técnico pelo Gem Lab - Gemologia e Engenharia Mineral e ex-Instrutor de Cursos de Gemologia e Diamante na Ajomig/Sindijóias.
web site: www.gemlab.com.br - e-mail: gem@gold.com.br

Voltar ao index