PÁGINA INICIAL
EMPRESAS
ENTIDADES
FEIRAS NO BRASIL
FEIRAS NO MUNDO
EXPOSIÇOES E EVENTOS
ARTIGOS
COMÉRCIO EXTERIOR
ENTREVISTAS
MANUAL DE GEMAS
CURSOS
CURIOSIDADES
JOALHERIA DE ARTE
MODA E TENDÊNCIAS
DICAS PRECIOSAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CLASSIFICADOS
PROMOÇÕES
COTAÇÃO DO DÓLAR
ANÚNCIOS
SOBRE O JOIABR
FALE CONOSCO
::::::::::::::::::::::::::::

© Joiabr - 2000
info@joiabr.com.br


SODALITA E OUTROS SUBSTITUTOS
DO LÁPIS-LAZÚLI



Luiz Antônio Gomes da Silveira *



Mais eficiente substituto do lápis-lazúli e um dos componentes desta rocha, a sodalita possui cor azul escura a azul violácea, além de outras pouco usuais - mas raramente atinge o tom azul ultramarinho característico dos melhores exemplares de lápis-lazúli.
 
A sodalita possui dureza similar à do lápis-lázuli (5 ½), porém sua densidade (2,20 a 2,40) e índice de refração 1,483 (± 0,003) são acentuadamente menores. Ocorre mais comumente na forma massiva e pode chegar a ser translúcida, enquanto o lápis-lázuli é quase invariavelmente opaco.

A sodalita costuma apresentar veios brancos, geralmente de calcita, similares aos que podem ser observados no lápis-lazúli, porém apenas em raras ocasiões contém qualquer mineral que se assemelhe à pirita, comum nesta rocha.

Quimicamente, constitui-se de um aluminossilicato de sódio com cloro. Da mesma forma que o lápis-lazúli, a sodalita costuma exibir fluorescência alaranjada sob luz ultravioleta e reage com o ácido clorídrico.

Além do uso como gema, geralmente na forma de contas ou cabochões, a sodalita é empregada na confecção de objetos ornamentais. Suas principais ocorrências brasileiras estão localizadas na Bahia, nos municípios de Vitória da Conquista e Itabuna.

Outros eficazes substitutos do lápis-lazúli são calcedônia, jaspe e howlita tingidos; haüyna - também denominada haüynita, azurita, lazulita e dumortierita, esta geralmente associada ao quartzo, entre outros.

Dentre as anteriormente citadas, a calcedônia e o jaspe são, após a sodalita, os substitutos mais frequentemente vistos no mercado brasileiro. Estes dois materiasi gemológicos são usualmente tingidos com cianeto de potássio para alcançar a cor azul algo semelhante à do lápis-lazúli, têm densidade variando no intervalo de 2,40 a 2,60 e são mais duros que o lápis-lazúli.

 

Fontes:

ANDERSON, B. W.: Gem Testing.
CIBJO: Coloured Gemstone Blue Book 2006.
DANA, J. D.: Manual de Mineralogia.
GUBELIN, E.J. & KOIVULA, J. I.: Photoatlas of Inclusions in Gemstones.
GUNTHER, B.: Tables of Gemstone Identification.
SCHUMANN, W.: Gemas do Mundo
.
NASSAU, K.: Gemstone Enhancement.
WEBSTER, R.: Gems. Their Sources, Descriptions and Identification.


*Luiz Antônio Gomes da Silveira é gemólogo pós-graduado pela Universidade de Barcelona (1988), pela Associação Alemã de Gemologia (Deutschen Gemmologishen Gesellschaft) e pela Associação e Laboratório de Ensaios de Gemas da Grã-Bretanha (Gemmological Association and Gem Testing Laboratory of Great Britain). Engenheiro de Minas (UFMG/1985), é credenciado pela Secretaria da Receita Federal, Responsável Técnico pelo Gem Lab - Gemologia e Engenharia Mineral e ex-Instrutor de Cursos de Gemologia e Diamante na Ajomig/Sindijóias.
web site: www.gemlab.com.br - e-mail: gem@gold.com.br

Voltar ao index